50, 60 ou 80 meses: como escolher o parcelamento no consórcio

parcelamento

Ao decidir fazer um consórcio é preciso realizar uma série de escolhas. Além de definir se ele será de bens ou serviços, é essencial estabelecer o valor da carta de crédito e a administradora responsável. Antes de completar o primeiro pagamento, há a decisão sobre o tempo de parcelamento.

Essa escolha é determinante para o dimensionamento das prestações, além de para toda a estratégia de contemplação. Em geral, é comum que os grupos apresentem 50, 60 ou 80 meses como as opções disponíveis.

Quer saber como definir o parcelamento correto no consórcio? Continue lendo e saiba tudo!

Pense em qual é o bem a ser adquirido

Em primeiro lugar é interessante pensar em qual vai ser a aquisição. Geralmente, serviços têm preços mais em conta e podem ser feitos em menos meses. Valores menores funcionam muito bem para 50 meses e garantem um bom equilíbrio.

Já se é um consórcio imobiliário ou de veículos, o preço ajuda a determinar qual é a melhor oportunidade. É algo importante porque cada contato serve para atender a uma necessidade e as características específicas devem ser levadas em consideração.

Avalie a sua capacidade de espera

A regra é bem simples: quanto maior é o tempo de parcelamento, maior poderá ser o prazo de espera. Como o número de sorteios aumenta, mais distante a sua contemplação pode estar. Isso não é, necessariamente, ruim, mas precisa ser levado em conta.

Embora ser o último a ser contemplado seja praticamente impossível, o ideal é levar em consideração esse ponto. A análise de um cenário pessimista traz uma segurança extra e ajuda a tomar decisões melhores.

Para ficar claro, imagine um consórcio imobiliário. Fazê-lo em 80 meses significa ter que esperar, na pior das hipóteses, pouco menos de 7 anos. Se você puder aguardar, como ao pagar aluguel e a prestação consorciada, então a alternativa é ideal. Do contrário, é melhor tentar diminuir o tempo.

Paralelamente, é possível escolher uma opção estendida de parcelas e usar a diferença para dar lances. Para isso, entretanto, é necessário ter muita disciplina e um ótimo planejamento financeiro.

Considere o valor das parcelas

Outra questão que deve ser levada em conta é o preço das mensalidades. Quanto maior é o tempo de divisão, menor é o preço a ser pago, até determinado limite. Basicamente, pagar em 50 meses poderá gerar uma prestação até 30% maior que em 80.

Considere qual é a sua possibilidade financeira, como o seu orçamento vai se comportar e faça simulações. Ao avaliar os preços das parcelas, observe a modificação, já que a correção da carta de crédito leva a um aumento.

Escolha a alternativa que oferecer o melhor equilíbrio entre o que cabe no bolso e o que leva à menor espera. Se você pode pagar em 60 meses confortavelmente, prefira essa opção às demais.

Não se preocupe com a taxa de juros no parcelamento

Independentemente da opção, não é preciso se preocupar com uma questão: a taxa de juros. No financiamento, quanto maior é o tempo de parcelamento, mais intensa é a incidência de juros e o custo efetivo total fica elevado. Escolher entre 50 ou 80 meses, em muitos casos, significa ter que decidir entre pagar quase o dobro do valor inicial ou não.

Já com o consórcio isso não acontece. Não há cobrança de juros e os planos longos não têm esse acúmulo. Como resultado, o valor pago ao final é praticamente igual em todas as opções, o que traz máximo conforto e ótima possibilidade.

Ao seguir as dicas, decidir o tempo de parcelamento no consórcio deixa de ser um desafio. Como resultado, poderá aproveitar ao máximo os benefícios dessa forma de compra.

Para você, qual é a melhor possibilidade? Conte nos comentários e participe do debate.

Adicionar comentário